domingo, 7 de outubro de 2012

Visita ao património ferroviário do Barreiro

Em Agosto resolvi sair do meu concelho de Almada e conhecer um património industrial igualmente tão fascinante como se tornou para mim o estudo dos testemunhos materiais ligados à indústria da moagem (a minha escolha para realização da dissertação de mestrado). A partir de conhecimentos que tiveram lugar nas redes sociais, encetei uma abordagem à industrialização do Barreiro e a uma vertente extremamente importante da sua memória histórica: o estabelecimento do caminho de ferro na vila do Barreiro.

A partir de 1861, o Barreiro iniciaria um percurso de evoluções rápidas e de completa transfiguração, tornando-se um nó estratégico nas comunicações, nomeadamente entre o Norte e Sul do país.
O visitante de hoje depara-se com muitos vestígios que lhe possibilitam o conhecimento de um património possuidor de uma enorme carga simbólica e de memória identitária, quer para a cidade do Barreiro, mas também para a história nacional.

Ao visitar o passado e o presente deste património ferroviário, fiquei convicta da sua importância e daí a minha voz se ter juntado às daqueles que defendem a sua urgente preservação.

Em 1861 era inaugurada a primitiva estação do caminho de ferro. O imponente edifício ainda hoje mantém as características originais, com a fachada principal aqui apresentada.

Primitiva estação ferroviária do Barreiro, actuais oficinas da EMEF, Agosto de 2012
O caminho de ferro, com todas as actividades laborais relacionadas, constitui uma poderosa atracção e cada vez mais gente chega ao Barreiro. E começam a ser erguidas as primeiras construções para trabalhadores não naturais da vila. 
O Bairro Ferroviário surge na década de 30 do século passado, com implantação no Largo do Palácio do Coimbra. Reflectia na sua estrutura construtiva as diferenciações existentes no estatuto sócio-profissional dos trabalhadores.
Bairro ferroviário, Largo do Coimbra, Barreiro, Agosto de 2012
Outra das estruturas que conheci durante esta visita foi o edifício que alberga o terminal de mercadorias, com o típico telheiro, exemplo das construções da arquitectura industrial ferroviária.

Terminal de mercadorias, três perspectivas diferentes
Na parte final deste passeio de abordagem ao património ferroviário do Barreiro "aportamos" à estação terminus ferro-fluvial. Inaugurada em 1884, possibilitava o transbordo mais cómodo aos passageiros, uma vez que ficava situada junto ao cais fluvial. Com projecto do engenheiro Miguel Pais, este imponente edifício é inaugurado em 4 de Outubro de 1884, desactivando como estação a anterior de 1861.
Fachada lateral da estação ferro-fluvial do Barreiro, Agosto 2012
Fachada poente e principal da estação ferro-fluvial do Barreiro, Agosto 2012
"Arte e técnica conjugam-se nos elementos arquitectónicos do edifício. A fachada poente virada ao rio, articula elementos decorativos de temática marítima e vegetalista, em estilo neo-manuelino, característico do período romântico" (Fonte: página da Câmara Municipal do Barreiro)

Estação coberta de desembarque, Agosto de 2012
"Na fachada sul, de carácter mecanicista e funcional, está localizado o hangar de embarque dos passageiros. É utilizado o ferro e o vidro, transparente e colorido, materiais construtivos inovadores na época." (Fonte: página da Câmara Municipal do Barreiro)

Encontra-se hoje já desactivada desde a inauguração do novo terminal. Mas ainda é ponto de passagem e usufruto para muitos dos passageiros. E continua merecedora de novas utilizações que a coloquem no lugar de merecido destaque no universo patrimonial arquitectónico do Barreiro e também a nível nacional, como ex-líbris da construção industrial portuguesa.

A minha visita ficou incompleta uma vez que não conheci as máquinas, o património móvel complemento fundamental deste universo patrimonial e causa das construções que surgiram de norte a sul do país.
Mas esta primeira abordagem certamente possibilitou o conhecimento de um património importante, imponente e valioso, merecedor de atenção, não somente por parte do associativismo, nas actividades e encontros desenvolvidos por cidadãos interessados, mas também do poder local (que certamente conhece  a sua mais valia, a avaliar pelos conteúdos da página da autarquia, que consultei) e certamente a nível nacional.
Outras visitas serão necessárias para conhecimentos mais aprofundados e de apoio à preservação, instalação de núcleos museológicos, reutilização e usufruto dos vestígios materiais de uma das mais importantes (r)evoluções industriais do nosso país.

Conceição Toscano





4 comentários:

  1. GOSTARIA DE SABER SE O GRUPO DESPORTIVO DOS FERROVIÁRIOS DO BARREIRO,NÃO TEM NADA A VER COM O PATRIMÓNIO FERROVIÁRIO.ACHO MUITO ESTRANHO IGNORAR
    A EXISTÊNCIA DE UM CLUBE QUE FOI FUNDADO POR FERROVIÁRIOS,SERVIU PARA ELEVAR A ALTO NÍVEL O DESPORTO E A CULTURA DOS FERROVIÁRIOS.ALIÁS O GDFB,TEM COMO PODE SER COMPROVADO UM HISTORIAL RIQUÍSSIMO.

    ResponderEliminar
  2. Caro Alfredo,

    Como referi, eu não moro no Barreiro e a visita foi uma primeira abordagem ao património ferroviário desta cidade. Posso deixar aqui uma sugestão: um blogue extremamente interessante.
    http://patrimoniobarreiro.blogspot.pt/p/rota.html

    Conceição Toscano

    ResponderEliminar
  3. Obrigada pelo comentário. Gostei muito de visitar o Barreiro e de escrever esse texto. Tenho pena de não ter mais tempo para outras visitas e outras escritas.

    ResponderEliminar